SALA DE AULA INVERTIDA

UMA METODOLOGIA ATIVA PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA

  • Dayane Rita da Silveira UEG
  • Andréa Kochhann UEG

Resumo

Os estudantes de hoje, cujas experiências de interação ocorrem, em grande parte, de forma conectada, desafiam a educação a organizar espaços de aprendizagem que extrapolem os muros da escola. Isso leva a refletir acerca da necessidade de pensar metodologias de ensino que atendam as demandas da contemporaneidade. O presente artigo, resultado de uma pesquisa bibilográfica e documental, tem como objetivo apresentar o conceito e as características da sala de aula invertida, bem como, analisar como esse método pode ajudar a levar os estudantes da passividade ao protagonismo. A metodologia da sala de aula invertida propõe uma alteração na organização tradicional do processo de ensino, buscando utilizar o tempo da sala de aula para realização de atividades mais dinâmicas e criativas, após estudo prévio dos conteúdos, pelo aluno, fora do ambiente da sala de aula. Acredita-se que essa metodologia possa auxiliar os alunos a assumirem responsabilidade por seu próprio aprendizado, melhorar o engajamento e a interação, otimizar o tempo em sala de aula, além de poder proporcionar um ambiente de aprendizagem mais rico e significativo para os estudantes. O referencial teórico desse trabalho está embasado em Bergmann e Sams (2016), Christensen, Horn e Staker (2013), Freire (2018), Horn e Staker (2015), Lévy (2000), Lira (2016), Moran (2015; 2018) e Valente (2018). Espera-se que essa pesquisa possa levar o leitor a refletir sobre o processo de ensino e aprendizagem e os espaços onde ocorrem e sobre as possibilidades de inserção de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) no sentido de potencializar o ensino e a aprendizagem ativa na aula de Lingua Inglesa.

Publicado
2019-12-26
Seção
ENSINO E APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS