PERSPECTIVAS SOBRE O PROCESSO DE LEITURA PARA CRIANÇAS AUTISTAS : DO LETRAMENTO EMERGENTE À LITERACIA FAMILIAR

  • VIVIANE CRISTINA DE MATTOS BATTISTELLO UNIVERSIDADE FEEVALE

Resumo

A presente pesquisa tem como objetivo apresentar as perspectivas sobre o processo de leitura para crianças com Transtorno do Espectro Autista- TEA, abarcando as questões sobre letramento emergente à literacia familiar. Considerando que as crianças autistas entram cada vez mais cedo na escola, o ambiente da educação infantil torna-se favorável ao desenvolvimento de intervenções precoces que promovam o letramento emergente, que é um conceito usado para representar o comportamento de leitura e de escrita para crianças que ainda não foram alfabetizadas. Bem como, a promoção da literacia familiar, que é compreendida como o envolvimento dos pais, da família ou da comunidade na aprendizagem da leitura e da escrita mediada por atividades do cotidiano. Ademais, o TEA apresenta características que revelam prejuízos qualitativos na comunicação social, associados a comportamentos repetitivos e interesses restritos, manifestados por comportamentos motores ou verbais estereotipados, bem como, podem apresentar adoção de rotinas e padrões de comportamento ritualizados de maneira excessiva. Conclui-se que a aquisição da leitura é melhor compreendida como um continuum desenvolvimental, com suas origens no início da infância e estendendo-se até o início da escolarização formal. Nesse sentido, o entendimento sobre a evolução dos aspectos relacionados à leitura e escrita de crianças pré-escolares com TEA são um paradigma desafiador tanto para professores quanto para familiares, uma vez que, desde muito cedo o comportamento de leitura de faz de conta emerge de maneira natural, no entanto, para as crianças com TEA não ocorre da mesma maneira. Essas crianças precisam de muito mais estímulos até alcançarem o nível esperado de entendimento e socialização com a leitura, promovendo a literacia familiar.

Publicado
2021-02-27